A saúde mental dos estudantes

A saúde mental dos estudantes tornou-se em algo preocupante em tempos de pandemia. Estudar em casa com a ajuda da internet, reaprender a organizar os horários e se tornar autodidata em alguns momentos gerou uma nova sobrecarga nos estudantes.

Entre os anos de 2020 e 2021, as escolas públicas e privadas fecharam as portas para manter o isolamento social, evitando expor seus estudantes ao coronavírus.

Consequentemente, os professores precisaram se reinventar para apresentar aulas online através de vídeos, Skype e utilizando ferramentas de ensino à distância (EaD) perante as quais os estudantes mais novos não estavam acostumados.

Porém, apesar das dificuldades de acessibilidade ao conteúdo pedagógico e de administração do tempo de estudos, a saúde mental dos estudantes começou a demonstrar quadros preocupantes.

A saúde mental dos estudantes

Durante a pandemia e a imposição do “novo normal” estudar em casa ou ir à escola com o uso de máscaras e de álcool gel alterou o contato habitual com os colegas de turma, reduziu a convivência com os amigos e professores e gerou um sentimento de incerteza nos estudantes.

Dentre várias questões que apareceram durante a pandemia, muitos estudantes perderam o ritmo dos estudos, não conseguiram aprender de forma eficaz todo o conteúdo apresentado à distância e começara a desenvolver sentimentos de tristeza e até mesmo de desolação.

Todos os seres humanos precisaram se esforçar para manter o equilíbrio psicológico durante a pandemia, buscando mais qualidade de vida em casa e paciência durante o isolamento social.

No caso dos estudantes, escolas e universidades já procuram desenvolver grupos de apoio psicológico para compreender o atual estado de seus alunos e oferecer apoio através do diálogo e a compreensão da dificuldade de cada um.

Insegurança

Geralmente, para as pessoas que não estavam habituadas a estudar sozinhas, precisar estudar o dia inteiro através das telas do computador ou celular tornou-se mais desafiante.

Em grande parte dos casos, os alunos mais novos relataram dificuldades para compreender o conteúdo, falta de acessibilidade para tirar dúvidas e para resolver problemas complexos de matemática ou gramática.

Violência doméstica

Além da violência doméstica cometida entre casais, crianças e jovens começaram a ser alvos de algum tipo de violência física ou psicológica quando precisaram permanecer por mais tempo dentro de casa estudando.

Falta de internet e de equipamentos

Outro fator que impacto negativamente a vida dos estudantes foi o fato dos estudantes não possuírem o mesmo nível de qualidade em equipamentos e de velocidades de acesso a dados para estudar através da internet de forma plena.

A saúde mental

Considerando os fatores acima descritos somados com todos os impactos pessoais, acadêmicos e familiares, os estudantes estão em uma situação que atinge a saúde mental a médio e longo prazo.

O sentimento de não ter realizado todas as etapas de estudo por completo, a falta de apoio em casa ou o fato de não possuir equipamentos adequados atingem o equilíbrio emocional e mental de jovens e crianças em idade escolar e no período pré-universitário.

Em casos mais sérios de saúde mental, é orientado a busca de ajuda oferecida por psicólogos e orientadores educacionais para medir cada questão e trata da melhor forma possível.

Conclusão

Portanto, em períodos de “novo normal” e de superação da pandemia através da vacinação, a sociedade e as instituições responsáveis precisarão buscar soluções para balizar o ensino de jovens e crianças, incluir as ferramentas de Ensino à Distância de forma mais orientada para diferentes idades escolares e oferecer apoio psicológico para estudantes que precisam de atenção.

Dica de leitura

É importante ler mais com seus filhos, alunos e amigos. Indicamos os livros em quadrinhos e gibis do Oi! O Tucano Ecologista e Scriptah: http://www.loja.oiarte.com/ 

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *